segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Bife Ancho com legumes grelhados e chimichurri





Tradicional da culinária argentina, o chimichurri é um ótimo acompanhamento para a parrilla.

O molho chimichurri é o mais utilizado no acompanhamento de carnes na Argentina, e está nas mesas de churrascos dos hermanos assim como o vinagrete na mesa dos brasileiros. A receita básica do molho leva azeite de oliva, salsinha e orégano, mas os argentinos se sentem à vontade para dar um toque na sua receita de família.

Por conta da acidez, o chimichurri quebra a gordura da carne, o que o torna tão agradável no paladar.

Diz a lenda que foi um inglês chamado Jimmy Curry, no século 19, quem criou o molho. Ele era um comerciante e estava na Argentina, comprando carnes para o Reino Unido. Comeu um churrasco maravilhoso e, em agradecimento, preparou um molho com azeite, vinagre, ervas e especiarias que havia colhido em suas andanças mundo afora.


Ingredientes:

500 g de bisteca do contra filé com osso
1ramo de alecrim
3 un de dente de alho
100 g de sal grosso
500 ml de azeite de oliva extravirgem
100 g de batata doce 
100 g de abobrinha italiana
½ maço de salsinha fresca 
½ maço de tomilho fresco


½ maço de orégano fresco
5 un de folha de louro fresca
1 un de pimenta malagueta fresca
100 g de cebola roxa em rodelas

100 g de tomate italiano em rodelas
1 un de suco de limão siciliano
Sal Q. B.
  
 

Modo de Preparo:

Corte a cebola roxa, a abobrinha em rodelas de 2cm e reserve em um bowl com água, corte também o tomate nesta espessura e reserve.


Cozinhe a batata doce por 30 minutos ou até que esteja al dente. Finalize a cocção com um choque térmico, (colocando a batata em um recipiente com agua fria e gelo) corte em rodelas de 2 cm e reserve.


Para o preparo de chimichurri corte as folhas do tomilho, salsinha, louro, orégano, o alecrim, o dente de alho e a pimenta malagueta picadas finamente.


Misture tudo em um bowl e acrescente 300 ml de azeite, suco de um limão siciliano, acerte o sal, mexa e reserve tampado com filme plástico.


Em uma tábua de corte, com o auxílio de uma faca de desossa, desosse o bife de ancho pelas costas, divida em duas peças de 250 gramas cada e reserve.

Preparo final:

Disponha sal grosso nos dois lados do bife. 


Aqueça o char broiler ( ou uma frigideira, pode ser churrasqueira também) ao máximo, retire o excesso de sal do bife de ancho e acomode no centro da grelha de 2 a 3 minutos de cada lado.

 Pincele azeite na grelha e disponha os legumes sobre ela, pincelar azeite a cada virada.



Em um prato raso, coloque um aro redondo e acrescente os legumes devidamente grelhados, intercalando um a um. Espete um  um ramo de alecrim em cima da torre de legumes. Acomode o bife no prato, regue com chimichurri.





segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Vamos fala de vinho? - O que é um vinho / Uvas Viníferas






O que é um vinho? 


O vinho é a bebida elaborada a partir da fermentação alcoólica do suco de uvas recém colhidas .

O processo natural de fermentação se dá através das leveduras – microorganismos que se alimentam do açúcar presente no suco da uva, transformando-o em álcool e dióxido de carbono.

De modo geral, as uvas são colhidas uma vez ao ano, preferencialmente quando atingem seu ideal estágio de maturação.

A maturação das uvas pode ser vista como um processo que passa por diversas e importantes etapas.

E duas destas etapas são fundamentais para determinar o momento ideal da colheita, além do potencial de qualidade em uma determinada safra: 

Maturação tecnológica (acompanhamento de açúcares e acidez)


No hemisfério norte, a colheita geralmente ocorre entre o início de setembro até o início de novembro e, no hemisfério sul, entre meados de janeiro até o início de março.

No entanto, o melhor momento para a colheita dependerá de inúmeros fatores, tais como: condições climáticas, variedades de uvas e o estilo de vinho que se deseja obter.

Assim que as uvas chegam na vinícola, o ideal é que a vinificação seja realizada o mais rápido possível, de modo a aproveitar todo o frescor da fruta e evitar uma fermentação indesejada.




Mas o vinho não é apenas um fermentado de uvas…

Para compreendermos melhor o vinho, é importante pensarmos nele não apenas como um simples fermentado de uvas.

Há inúmeros fatores (tipos de uvas, solos, climas, processos) que influenciam diretamente em seu visual, aromas e sabores.

E é por isso que, felizmente, temos a disposição diversos tipos de vinhos, elaborados em todo o mundo através de diferentes métodos, com os mais variados preços e que agradam desde paladares mais simples, aos mais exigentes.




Vinho sem álcool 


Apesar de dividir opiniões de especialistas e degustadores, recentemente descobrimos o vinho sem álcool, ainda não tivemos oportunidade de experimentar e formarmos nossa própria opinião, mas em breve trago o que o que achamos dessa novidade pouco conhecida no Brasil.

Quem pensa que vinho sem álcool e suco de uva é a mesma coisa, engana-se. O suco de uva é feito, geralmente, pelo cozimento da uva com açúcar e água. O vinho sem álcool é feito pela fermentação natural da uva (sem adição de água) e, depois, desalcoolizado.

O processo, que não é barato, gera uma grande perda de volume inicial da bebida. Para se obter 1 litro de vinho tinto suave sem álcool são necessários 2,4 litros do vinho pronto, pois, no momento da desalcoolização, além do álcool, perde-se água e outros componentes. 

Os flavonóides, no entanto, são encontrados numa proporção até 65% maior que nos vinhos com álcool. Para se fazer 1 litro do vinho tinto seco sem álcool, são usados 3,5 litros do vinho tinto seco.

Os sem álcool não apresentam restrição de consumo. Destinam-se a pessoas  com restrições religiosas, apreciadores que não podem mais consumir bebida alcoólica por portar algum tipo de doença como diabéticos, doentes hepáticos, hipertensos, cardíacos, alérgicos a álcool e todas as pessoas que tomam medicamentos, como também pessoas que não querem consumir álcool.



Uvas Viníferas: Conheça algumas das Principais Variedades e os Estilos de Vinho Que Produzem