quinta-feira, 2 de novembro de 2017

15 Motivos para visitar BELÉM – PA

O Pará é uma terra de muita personalidade e acaba nos surpreendendo com seus atrativos. Entre rios e trechos amazônicos, esta é uma viagem de descobertas, desde os novos sabores aos ritmos.


Reunindo antigos traços coloniais e outros tão modernos, Belém é uma cidade fácil de se apaixonar e tem preços convidativos.


Sim. Belém é rica em atrativos. No lugar do tédio, a contemplação em cenários tranquilos; ao invés de funk, os movimentos graciosos do carimbó; na mesa, nada do tradicional suco de laranja; o refresco vem carregado de nomes exóticos, como o Taperebá, amarelinho, denso e delicioso.






Belém é conhecida como a “porta de entrada para a Amazônia” e, como você poderá conferir mais abaixo, a cidade tem muito para lhe oferecer! Listamos 1 razões que farão você querer conhecer Belém hoje mesmo!



1-     A comida

A gastronomia paraense é diferente de tudo e tem sabores fortes, exóticos para o paladar de quem não é de lá. O açaí não é igual ao dos outros Estados; é bem mais encorpado, puro e sem açúcar. Ele acompanha goma de tapioca, peixe, camarão ou charque frito. Vale a pena provar ainda maniçoba, caruru, e o Tacacá, um tipo de “mingau” que leva tucupi (caldo extraído da mandioca), goma de tapioca cozida, jambu (erva que adormece a boca) e camarão seco. Um suco de taperebá, cupuaçu ou muruci caem bem com essas delícias, mas guarde espaço para os sorvetes.


Pato no Tucupi

Pescada ao molho Paraense

Camarão do point do açaí

Combinado de peixe, carne seca, camarão e açaí do Point do Açai

Tacacá


2-     O mercado Ver-o-Peso / mercado de peixes e mercado de carnes 

O Ver-o-Peso não só é o coração da cidade, como um dos mercados mais incríveis do planeta, para onde
confluem os ingredientes da Amazônia. Pripioca, jambu, mandioca brava, castanha-do-pará, pirarucu,
surubim, filhote, curimata, tambaqui, açaí, taperebá, bacuri…. É um caos dos mais organizados.



Castanha do pará

Camarão seco 

Pimentas

Ver-o-Peso ( Minha barriga de 5 meses. rsrsrs O João já estava a caminho)

Mercado de carnes

Mercado de peixes
Ver-o-Peso

Mercado do peixe 


3-     Os sorvetes da Cairu

Eleita a melhor sorveteria do Brasil em 2014, é praticamente uma instituição da capital paraense.

São mais de 50 anos de história. A produção começou pelas mãos de Dona Ruth e Seu Armando Laiun com
os sabores de coco, taperebá, cupuaçu e muruci.
E é justamente essa variedade de mais de 50 sabores que fez a fama da Cairu. A sorveteria usa como matéria-prima dos sorvetes artesanais frutas típicas do Pará, muitas exóticas para quem não é do Norte, como bacuri, castanha-do-Pará, açaí, graviola e os citados anteriormente. Difícil dizer qual foi  o meu favorito.

  
4-     A Estação das Docas
O antigo porto belenense foi transformado em um shopping à beira do rio Guajará e inaugurado no ano 2000.


O projeto da Estação das Docas conservou e restaurou a estrutura de ferro dos galpões do porto e manteve sua aparência rústica, mas com tecnologia (ar-condicionado, iluminação, escadas rolantes) e conveniência (banheiros, revistaria, caixas eletrônicos). Guindastes norte-americanos do início do século 20 decoram a principal via de pedestres da Estação, além de bancos que servem como mirantes para admiração da orla.
A Estação está dividida em três boulevares – de artes (com cinema e teatro), gastronômico e o de feiras e exposições.


(Minha barriga de 5 meses. rsrsrs O João já estava a caminho)


5-     O Mangal das Garças

No centro velho de Belém, bem perto de onde a cidade começou, foi erguida, uma das mais importantes reservas ecológicas da cidade, com 34,7 m² e centenas de espécies de animais e vegetais nativos da região amazônica. O Mangal das Garças conta com borboletário, viveiro de pássaros e plantas, farol, restaurante, museu da navegação, loja de produtos naturais, plantas, livros e CDs, além de uma vista incrível para o rio Guajará.





6-     Parque Zoobotânico Emílio Goeldi

Cutias, lagartos e garças caminham livres por ali. Presos estão os macacos, onças, jacarés, cobras e espécies raras de aves, peixes, tartarugas e outros animais impressionantes provenientes das florestas e rios da Amazônia. O parque zoobotânico do Museu Emílio Goeldi conserva uma grande mostra da fauna e flora brasileira nos seus 5,2 hectares de extensão encalacrados bem no meio de Belém.


7-     As ilhas


Belém é composta por 39 ilhas, que representam 65% do território da capital paraense. Num passeio de cerca de 40 minutos de barco é possível conhecer, por exemplo, a Ilha de Cotijuba. Banhada pela baía do Marajó, tem uma simplicidade deliciosa para quem quer se livrar da vida urbana, com a vantagem de ter praias tranquilas e de água doce, já que são fluviais. No Verão, é um dos destinos mais procurados pelos locais que querem fugir do calor.




8-     A cultura


A cultura diversificada do Pará deixa um legado importante no Brasil. Independente dos gostos pessoais de cada um, temos que reconhecer o lado criativo pulsante dos paraenses, seja nas artes, na música, no cinema e até no modo de vida. As danças típicas como o carimbó e o lundu, o folclore com raízes amazônicas, o tecnobrega, o artesanato indígena e tantas outras coisas que marcam a região mostram o quanto temos a aprender e conhecer dentro do país.



























9-      A cachaça de jambu 

Quem bebe a cachaça de jambu sente logo os lábios tremerem e ficarem dormentes. Essa característica garantiu o sucesso da bebida criada no Pará, misto de cachaça de alambique com o jambu, erva da Amazônia.
10-  O Guaraná Garoto 



Fundada em 25 de abril de 1956 com o nome de Indústrias Cacique LTDA., a Guaraná Garoto foi uma das pioneiras da região Norte do Brasil na fabricação de refrigerantes. Seu nome foi mudado para Refrigerantes Garoto apenas em 30 de dezembro de 1960.

A partir da década de 70, sob o comando do empresário Enéas de Nazareth Lima Vieira, sua fábrica fixou-se em Ananindeua, na Rod. BR 316, Km 03. Até pouco tempo, funcionou nesse local seu parque industrial, onde hoje encontra-se instalada sua sede administrativa.

Com seu sucesso, começou a modernização. Seu auge se deu na década de 90, quando a empresa consolidou o Guaraná Garoto como o melhor e mais aceito refrigerante de guaraná da região. O Guaraná Garoto chama a atenção também pela manutenção da qualidade de seus produtos, que é um dos grandes compromissos da empresa até hoje, sempre respeitando o gosto do consumidor.

Hoje a empresa atua diretamente no controle de qualidade e na área de vendas, operando em parceria com outras empresas na área de industrialização, logística e distribuição, levando o verdadeiro sabor do guaraná para dentro da sua casa.







11-   As cervejas 


A famosa cervejaria AMAZON BEER é de Belém do pará e não poderíamos deixar de fala dela. Na estação das Docas fica localizado um espaço da Amazon Beer com mesas na varanda ao ar livre e no ambiente interno. O local lota no fim de tarde. É descontraído e animado. Muita gente petiscando e bebendo. As cervejas artesanais têm sabores originais.
Outra cerveja muito consumida é a Cerpa sua fabrica foi fundada em Belém em 1966, quando o  imigrante alemão Konrad Karl Seibel chegou a Belém e constatou que a água da região era ideal para fabricar cerveja nos trópicos. Foi uma cervejaria regional de sucesso por décadas — sua participação de mercado no Pará chegou a 65% em 2003 e, muito antes do avanço das cervejas artesanais.

12-  A Orla ao entardecer / Valeverde 

Da estação das docas sai um passeio turístico de barco pela Baía do Guajará. Há um ponto no local que vende os ingressos para os tours  e também, os barcos que levam a Marajó e Manaus (Valeverde Agência de Viagens).  Fizemos o passeio “Orla Ao entardecer” e recomendo. O passeio pelo rio e tem duração de umas duas horas. É uma forma de ver Belém de outro ângulo. Durante o passeio tem show de música (sim, é bem turístico).



13-  O biscoito Monteiro Lopes 


Biscoito típico em todas as padarias e mercados que conta uma linda história de amor:

Contam que entre os anos de 1850 a 1890, em Belém do Pará , existiam duas confeitarias que eram concorrentes assumidas, e seus donos rivais, ambas situadas no famoso mercado Ver-o-Peso, só que em polos opostos. Uma tinha como proprietário o mulato Manuel Monteiro, e a outra o português António Lopes.

Por ironia do destino os filhos dos dois se apaixonaram e casaram após a morte dos pais e unificaram as confeitarias. Em alusão a um momento tão lindo criaram o biscoito em duas cores, que era símbolo dessa união, dando o nome de Monteiro Lopes que é a junção dos sobrenomes.

Esse biscoito maravilhoso e de uma rica história.




14-  Saldosa Maloca

O saldosa Maloca fica na Ilha do Combú é um restaurante bem rustico, aconchegante e tem uma comida caseira e muito saborosa com a cara do Pará. Na ocasião fomos recebidos pelo Macedo Felipe que foi atencioso e prestativo, o atendimento nota 10.


15-  O Centro histórico 
Belém foi fundada em 1616 em local estratégico para a conquista e controle da Amazônia pelo Império Português, transformando-se anos mais tarde em capital da 2ª colônia lusitana nas Américas, o Grão Pará e Maranhão.
O núcleo histórico se formou no entorno do Forte do Presépio com a denominação de Feliz Lusitânia e, ao longo do tempo, conheceu grandes transformações urbanas e arquitetônicas, com destaque para os traços neoclássicos oitecentista de Antônio Landi e da belle époque em fins do século XIX, impulsionada pela prosperidade da borracha.